Tuesday, November 04, 2008

A poesia é essencial

O furto do beija-flor

Ninguém nota o beijo do beija-flor
Na pura-inocente inerme rosa
Do néctar recheado de sabor
Que este nobre pássaro goza.

Com seu bico longo e afiado
Voa incansável em seu redor
Com malícia de bicho alado
Estupra a pobre rosa sem dó.

Desprovida rosa sem defesa
Presa no cárcere de seu talo
- Oh! Injusta mãe natureza.
Este bicho, não quero amá-lo.

E a rosa teve um beijo roubado
Deste rebelde beija-flor tirano
Com seu peito nela debruçado
Levou sua primavera do ano.


Eridelson de la Serna
(Eridelson é vitoriense e estudante da Faintvisa)