Wednesday, December 17, 2008

Fragmentos

Acostumado a uma seca de esturricar a alma, o sertanejo quase morre de medo com a chuvarada que desabou, na semana passada, principalmente em Sertânia e Carnaíba. A oração deve ter sido muito forte, atingindo os confins do universo. E aí, São Pedro caprichou. O aguaceiro veio com granizo, destelhando casas e arrastando tudo de roldão nas águas.
Lembrei-me do barbeiro Moisés, que conheci na década de 80, quando recitava quadrinha de sua autoria, se gabando de ter arrancado aplausos em São Paulo:
O sertanejo ao nascer
Tem seu destino traçado
Se de sede não morrer
Por certo morre afogado
Sosígenes Bittencourt